COMO NÃO SE TORNAR UM DESIGREJADO?

16 Mar 2018 / POR Robinho CQG
Nasci no evangelho, cresci aprendendo sobre a bíblia e claro sobre dogmas religiosos que quase sempre matam a fé genuína, tiram a centralidade de Cristo e fazem com que as doutrinas e costumes se tornem a essência da vida cristã.

Então a pergunta é:

Robinho, você já se decepcionou com os líderes, já foi humilhado, já pisaram em você, já foi abandonado?

A resposta é simples e objetiva:

Sim, com certeza.

Eu sou o tipo de pessoa que pelo que já vivi dentro de uma comunidade de fé teria todos os argumentos possíveis e plausíveis para ser um desigrejado e até mesmo me tornar um opositor da fé cristã, pois quando mais precisei e pedi auxílio em um dos momentos mais críticos da vida, não tive ajuda e me senti abandonado. Não porque as pessoas eram más, de modo algum, mas por não compreenderem a dor, era tudo muito programado e frio, sem sentimento, por isso hoje entendo muito o que escreveu o Ap. Paulo quando disse em Romanos 12:15, Alegrai-vos com os que se alegram; e chorai com os que choram;

Hoje com 38 anos e uma vida no evangelho tenho a plena convicção de como não se tornar um desigrejado e queria expressar isso a você.

A questão central é, alguém que hoje não vive a comunhão no corpo de Cristo começou a desacreditar por conta dos questionamentos, sempre está ligado a uma interrogação ou várias interrogações, seja pelo sistema eclesiástico, seja por uma limitação do pastor ou líder, não é o questionamento em si, mas a essência da dúvida que é perigosa. Se vê isso claramente nas escrituras quando a serpente achou o coração de Eva quando jogou a dúvida, a pergunta.

Ora, a serpente era mais astuta que todas as alimárias do campo que o SENHOR Deus tinha feito. E esta disse à mulher: É assim que Deus disse: Não comereis de toda a árvore do jardim? Gênesis 3:1

O diabo só precisa de um coração aberto para lançar a pergunta certa, no momento certo e usa verdades para isso, não necessariamente ele usa mentiras, tudo tem sentido e razão, esse é o primeiro ponto.

Depois vem outra coisa que é fato em todo desigrejado, ele é egoísta, olha apenas pra si, como se o que ele pensa é suficiente, não pensa num todo, por isso se afasta, e dentro das suas convicções individuais e egocêntricas, se acha muito capaz de julgar e analisar as situações que não concorda, sendo que nunca vi Jesus perguntando se concordam ou não com as direções sobre o Reino de Deus, ele deu à direção e pronto, já percebeu que o Ap. Paulo implantou igrejas e elas tinham muitos problemas, assim como hoje, e as cartas que escreveu para as igrejas eram orientações, recomendações e exortações para resolver problemas. Desde o início houve dificuldades com o ser humano e mesmo assim Deus nunca desistiu da igreja, se Ele não desistiu quem sou eu pra desistir.

O terceiro ponto é a insubmissão, qual pessoa é capaz de ser repreendido duramente e ainda assim permanecer fiel ao seu líder, como Pedro foi, ele simplesmente foi chamado de Satanás por Jesus (Mateus 16:23). Quantas pessoas que você conhece que se o pastor o chamar de Satanás ainda assim continuará a andar com ele?

Ovelha precisa ser guiada, nenhuma ovelha sobrevive saudável sozinha, tempos atrás uma foto circulou na internet, um pastor reencontrou uma ovelha que estava perdida há algum tempo, a situação dela era a seguinte, seus pêlos estavam enormes, nariz entupido e vários problemas por estar sozinha sem ter quem cuidasse dela, mas em algumas horas com o pastor ela já estava tosquiada, respirando normalmente e saudável.

É preciso entender que as pessoas são imperfeitas, seres humanos são cruéis e muitas vezes o caráter é questionável e isso inclui líderes e pastores, mas graças a Deus a parcela é pequena, si,m afirmo e reafirmo, é uma parcela muito pequena, em sua grande maioria são homens e mulheres que amam a Jesus e tem o coração guardado, por isso não há desculpas e muito menos razão para generalizar e abandonar o corpo e se transformar em um parasita, sim, um parasita que não quer fazer parte do corpo (igreja) mas vive do corpo, sugando, criticando, sempre apontando, não consegue viver sem que a igreja de alguma forma seja o alvo de suas indagações, afirmações e críticas constantes e ofensivas.

MAS POR QUE NÃO ME TORNEI UM DESIGREJADO?

Porque entendi algo, não sirvo a Jesus esperando uma igreja perfeita, mas o oxigênio do evangelho é o ide (Marcos 16:15), me importar com as vidas perdidas, reproduzir o caráter de Cristo no máximo de pessoas possíveis, com isso percebi que quanto mais me envolvo em ganhar e influenciar pessoas menos meu coração fica disponível para os questionamentos do diabo.

É pelos frutos que todos seremos conhecidos (Mateus 7), por isso a vida longe do corpo dá um falsa impressão de alívio de que agora estou livre, me libertei da “lavagem cerebral”, pois passamos a viver apenas pelas nossas vontades e escolhas, quando o amor por vidas se esvai, realmente tudo referente ao ide fica mais pesado e nossos olhos se voltam apenas para a humanidade e para as limitações, afinal o que as escrituras dizem é: O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.

Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;

Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;

Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. (1 Coríntios 13:4-7). Mas esse conceito não é apontando para os outros, mas tomando para si esse princípio.

Quando mantenho a chama do amor acesa por Jesus, pelos perdidos, pelo corpo de Cristo, pelos pastores, sou impulsionado pelo amor a prosseguir em meio ao caos, só passa a ser um fardo quando fazemos por imposição, por vaidade ou por pressão. Não cumpro o ide porque meu pastor me pediu, faço porque foi Jesus quem ordenou, e essa ordem foi para constituir a igreja. Se não fosse o próprio Jesus que tivesse instituído a igreja, ela já teria sido extinta há muito tempo concorda comigo? Muitos imperadores, reis e governantes durante a história já tentaram extingui-la.

Concluo dizendo que quando se afasta do corpo não há plenitude de vida, o ministério perde o fôlego e não temos força para cuidar de outros, e cada vez mais nos voltamos apenas para nós mesmos. Na verdade é difícil demais reconhecer que eu sou o problema, eu que não consigo confiar, eu que preciso de ajuda. Há mais integridade em um viciado do que em um desigrejado, o viciado reconhece que a miséria de vida que vive foi ele quem buscou, ele sabe que ele é o problema, um desigrejado não consegue reconhecer seus erros, sua insubmissão, sua limitação, seus pecados, seu egoísmo, se torna um especialista e transferir para o outro sempre.

Pode ser forte o que vou dizer mas eu, Robinho acredito de todo o meu coração, que não há plenitude de vida longe da presença de Cristo e da comunhão do corpo, não acredito que alguém consiga ter uma vida devocional de quebrantamento longe da vida no corpo de Cristo, longe do discipulado, longe da comunhão e da celebração, longe do calor do pastoreio, não acredito que alguém se mantenha saudável espiritualmente com mensagens de Youtube, pois a vida on line é assim, eu sigo até que não contrarie minhas convicções, se não me agrada eu simplesmente descarto, foi bom apenas enquanto falou o que eu selecionei ouvir e que agrada os meus conceitos pessoais. Agora analise e olhe a sua volta, será que não há sequer uma pessoa confiável, íntegra e que ame a Jesus que possa te discipular e te pastorear? Mas não faça essa pergunta analisando como você gostaria que fosse, mas segundo o que a Bíblia diz de como deve ser essa pessoa.

Não se sinta ofendido, mas que esse artigo sirva de reflexão apenas, meu intuito não é causar discussão e debates sobre o tema mas apenas para fazer pensar sobre sua vida e sua jornada de fé, faz sentido algumas coisas que escrevi pra você? Amém, se não faz, descarte, simples assim, afinal, esse é apenas mais um discurso on line como tantos outros.
Sobre mim
Robinho CQG

Robson da Cunha Carmo, casado com Elaine F. Maluf da Cunha e pai da Alicia Maluf da Cunha, é também conhecido como Robinho CQG, reside em Teresópolis-RJ.